21 de julho de 2010

Tenho perdido as palavras, a vontade de escrever. O poeta não está morrendo, mas tornando-se volátil. Os versos saem calados, como agora, nessa angústia.

2 comentários:

Rafael_Senra disse...

A poesia tem vários inimigos. O mais ilustre talvez seja a rotina, que corroi a veia poética aos poucos. Outros inimigos são mais drásticos e nada sutis.

Independente disso tudo, a poesia deve triunfar. Espero ver a sua de volta, bela como sempre.

Um abraço!

ElineteWPaesMiller disse...

Sua volta possibilita ver, ouvir seus versos em silêncio, com reverencia que o poeta merece, apreciar a beleza de sua poesia linda como sempre foi. Esse cantar sonoro que rompe a crisálida...